________________________________________


"Entre livros nasci. Entre livros me criei. Entre livros me formei. Entre livros me tornei. Enquanto lia o livro, lia-me, a mim, o livro. Hoje não há como separar: o livro sou eu - Bibliotecária por opção, paixão e convicção".

Lemos porque a necessidade de desvendar e questionar o desconhecido é muito forte em nós”

"O universo literário é sempre uma caixinha de surpresas, em que o leitor aos poucos vai recolhendo retalhos. Livros, textos, frases, poemas, enfim, variadas formas de expressão que vão compondo a colcha de retalhos de uma vida entre livros. É o que se propõe".

Inajá Martins de Almeida

assim...

"Quem me dera fossem minhas palavras escritas. Que fossem gravadas num livro, com pena de ferro e com chumbo. Para sempre fossem esculpidas na rocha! (Jó 19:23/24)

________________________________________________________________

“Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância.”

Fernando Pessoa - Poeta e escritor português (1888 - 1935)

____________________________________________________________________

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

JANELA ABERTA - Rita Elisa Seda

clique sobre a imagem
_____________________


Abra a janela e deixe fluir sua imaginação ao som do Concerto nº 1 de Tschaikowsky

4 comentários:

Rita Elisa Seda disse...

Nossa!... estou de alma cheia!... estou feliz!... como se um desses sonhos/pássaros estivessem pousados em minha janela, ah!... já sei! pousaram em meu computador, na tela, no blog Retalhos de Leitura, majestosamente elaborados pelas mãos tecelãs de quem sabe confeccionar SONHOS: Inajá! Obrigada amiga, você é mesmo uma alegria em forma de gente. Beijos, felicidades e a paz!

Inajá Martins de Almeida disse...

Sim querida amiga

Os pássaros
pousaram em nossas janelas
tocaram nossas almas poéticas.

Adentraram nossos corações
Teceram sonhos
como hábeis tecelões

E partiram
Deixando rastros de amizade
que o tempo une cada vez mais.

ELVIO disse...

"Vejo o livro como uma janela que se abre para dissipar escuridão" Elanklever

Inajá Martins de Almeida disse...

Sim.
Maravilhoso pensar no livro dissipando a escuridão da nossa ignorância.
Maravilhoso estar entre livros. Abrir janelas para adentrar horizontes inimagináveis.
Livros que nos tornam livres.
Livros que nos transformam em livros.
Livros que nos tecem.
Livros que contam nossa história. Através das janelas podemos tecer mosaicos de sonhos e voar com asas de águia ao infinito.
Obrigada por mais este momento. Sempre.