________________________________________


"Entre livros nasci. Entre livros me criei. Entre livros me formei. Entre livros me tornei. Enquanto lia o livro, lia-me, a mim, o livro. Hoje não há como separar: o livro sou eu - Bibliotecária por opção, paixão e convicção".

Lemos porque a necessidade de desvendar e questionar o desconhecido é muito forte em nós”

"O universo literário é sempre uma caixinha de surpresas, em que o leitor aos poucos vai recolhendo retalhos. Livros, textos, frases, poemas, enfim, variadas formas de expressão que vão compondo a colcha de retalhos de uma vida entre livros. É o que se propõe".

Inajá Martins de Almeida

assim...

"Quem me dera fossem minhas palavras escritas. Que fossem gravadas num livro, com pena de ferro e com chumbo. Para sempre fossem esculpidas na rocha! (Jó 19:23/24)

________________________________________________________________

“Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância.”

Fernando Pessoa - Poeta e escritor português (1888 - 1935)

____________________________________________________________________

sábado, 21 de agosto de 2010

SOBRE LIVROS E LEITORES - Vicente Golfeto

Thomas Mann dizia que “não devemos ler os livros bons porque existem os ótimos”. Tem lógica. Afinal, acompanhar o ritmo do mercado editorial é um anseio impossível, uma frustração permanente que, como a morte, deve ser encarada como uma fatalidade ecumênica.



Toda pessoa que gosta de ler – livros, jornais – quando se trata de livros principalmente, fica ansiosa porque a capacidade de comprar livros, ou de encontrá-los nas bibliotecas, é sempre maior do que o tempo disponível para lê-los. Quando se tem o hábito de formar uma biblioteca particular – dizem que é um hábito já superado, que não existe mais nos dias atuais a não ser como exceção – a ansiedade aumenta. 

Compra-se mais livros do que se lê. E aí, vão-se formando pilhas de livros, que entram numa espécie de lista, de fila de espera.




Quando falo de livro lembro-me sempre do poeta italiano Petrarca, ao dizer que “livros têm levado algumas pessoas ao saber. Outras, à insânia”. 




Esta síntese é-nos aclarada por Manzanaro, o primeiro capo mafioso de Nova Iorque. Isto nos anos loucos; nos anos vinte do século passado, o curto século 20. Ele dizia que “há homens que devem ler e homens que não podem ler”. O que – convenhamos – é uma verdade inegável. 




Os que não podem ler têm, muitas vezes, uma vontade enorme de ler livros. E efetivamente os lêem. Mas, como não têm condições intelectuais de metabolizar o conhecimento adquirido, confundem tudo. Ficam muitas vezes revoltados. Quando são professores não transmitem conhecimento. Vomitam-no. Se são jornalistas, idem. 




Algumas pessoas devem utilizar mais músculos do que neurônios. Outras, sim, devem se valer mais dos neurônios. As primeiras não podem ler. Devem ser desaconselhadas a tal. Tornam-se infelizes. As outras devem ser estimuladas. Mas não se fala porque “a verdade deve se subordinar ao amor”, como nos ensina Paulo numa de suas epístolas.

VICENTE GOLFETO – jornal A Cidade / 5/3/2008 – Ribeirão Preto

________________________________________

Para Francis Bacon "certos livros devem ser lidos, outros engolidos e uns poucos mastigados e digeridos", justamente pensando, creio eu, que há diversidade de livros, escritores e leitores, razão por que 
Ranganathan o ilustre bibliotecário hindu na segunda década  do século passado, construía suas cinco leis para a Biblioteconomia, das quais enfatiza que a cada livro seu leitor, a cada leitor seu livro, conhecedor do complexo universo da informação daquele tempo. Hoje as proporções são assustadoras. A disseminação da informação se faz de forma ágil e rápida, mas quanta desinformação! Quanta deformação! O que teria mudado? Como questionava Machado de Assis.
Será que mudou o natal, ou mudei eu!?

comentário Inajá Martins de Almeida 

2 comentários:

El. An. disse...

"O iniciante a leitor ou ledor, não conhece livros, e talvez por medo de errar não inicia a leitura, por medo, livros ótimos para alguns, podem ser livros ruins para outros, para cada leitor seu livro" uma cartilha apenas com o ABC..., seria um livro bom ?

El. An. disse...

"O iniciante a leitor ou ledor, não conhece livros, e talvez por medo de errar não inicia a leitura, por medo, livros ótimos para alguns, podem ser livros ruins para outros, para cada leitor seu livro" uma cartilha apenas com o ABC..., seria um livro bom ?